POEMAS E CANÇÕES DE AMOR PARA TI


AMO-TE ASSIM

Amo-te assim
Sem enfeites nem disfarces
Ungida pela água.
Cabelo corrido pelos ombros,
Olhos brilhantes de alegria e volúpia
Toda amor mar e harmonia
Como se tivesses descido do céu
E uma nuvem fosse o longo véu
Que nos envolvesse eternamente.
COMO SOU FELIZ

Quando tenho a certeza
Que não és ilusão, nem sonho
É uma sensação tão emocionante
Um sentimento de amor tão profundo
Que trocaria todo o mundo
Para viver só contigo
Para ser só teu.
QUERO-TE COMO O MAR REVOLTO

Quero-te como o mar revolto
Para nele saciar o corpo
Para nele saciar este desejo imenso.

O mar, eu sei, é pequeno
Para tamanha paixão
Para tanto sofrimento
Quando estás longe de mim.

O mar é só uma parte
Deste sublime amor
Em que nos envolvemos.
NO TEMPO QUE PASSA

No mar que navego
Na voz que oiço,
No corpo que possuo
No tempo que passa
Só tu, tens o saber da vida,
O sentido das emoções
O instintivo talento do amor,
O toque imprevisível
Que torna um prazer eterno.

Só tu, com os teus expressivos olhos
O sussurrar do coração entre os dedos
Conheces do amor os segredos
E assim fascinas, assim cativas.
A HARMONIA NATURAL DA VIDA

Quando estou contigo
Todo eu canto
A harmonia natural da vida.

E canto, canto
Sem disfarces ou inibições
O amor
E todas as emoções
Que esta singular paixão determina.
SONHEI O TEU CORPO

Sonhei o teu corpo
Como o pintor
Sonha a sua tela:
De formas doces
Ternamente delineadas
A necessitarem de amor.

Descobri o teu pensamento
Na minha boca
E senti que ela ficou louca
Por te beber.
OS DIVINOS MOMENTOS

O cheiro do teu corpo
Provoca
A fúria da posse.

E quando te possuo,
No estertor
Desse inesquecível prazer,

Agradeço a Deus
Os divinos momentos
Em que unimos corpos
E sentimentos.

Finalmente, somos nós.
A ETERNIZAÇÃO DO TEMPO

Quando no êxtase máximo da posse
Te dói corpo e alma
E vagueias noutros céus
Sinto em ti a essência de Deus
Que implora a um simples mortal
A eternização do tempo.
O CÂNTICO DA FELICIDADE

Quando beijo os teus olhos
Paro o tempo no teu corpo.

Tu és o equilíbrio.

O pêndulo da vida
O cântico da felicidade.
SEI QUE TE AMO

Não exagero no amor
Que te dedico.

Sei que te amo
Como amo o infinito
Que vejo em pensamento.

Sei que te amo
Como amo a Deus
Num misto de louvor
De sabedoria e incerteza
Cuja infinita beleza
Só é acessível aos eleitos.
RECRIASTE O AMOR

Recriaste o amor
No teu corpo.

Deste-lhe a ciência
Do tempo,
O carinho,
A doçura.

Em ti
Saboreio a vida.
BEBO EM TI O PRAZER DA VIDA

O teu corpo é um íman
Fértil em sonhos, actos e paixões.

E quando nos meus braços
Te aperto
Sinto o teu amor
Na minha boca.

E bebo em ti a vida.

PROCURO NOS TEUS
OLHOS O SABOR DO VENTO

Procuro nos teus olhos
O sabor do vento
O canto das aves
O encanto da vida
O sublime prazer.

Procuro-te os seios
Os lábios
As curvas colossais
Que gemendo em doces ais
Me transportam ao infinito
Ao amor
Ao sonho
À realidade
Nesse corpo vibrante de ansiedade
Quando te possuo.

Amar-te
É sorver a vida
É sentir-te deliciosamente
Só minha.
É O TEU CORPO

É o teu corpo
Desnudado, mudo e quente
Onde as sensações se inebriam
E as paixões se saciam
Que eu procuro.

Possuir-te
É entrar no paraíso
Onde os anjos
Cantam em coro
As alegrias do prazer
Violento e sensual.
ESTE DESEJO CONSTANTE
DE AMAR

Só contigo satisfaço
Este desejo constante de amar
Esta ansiedade.

É contigo que eu sinto
Rir de alegria o corpo
Numa saudação
Ao amor sobrenatural
Em que nos envolvemos.
SÓ PARA TI

Só para ti
Que amo mais que ao mundo
Posso dizer o que não devo.

Ter pensamentos que nunca pensei.
Dizer palavras que nunca conheci.

De tanto te amar, tenho medo
De viver
No terreno infinito das ilusões.
NÃO TENHAS MEDO DE AMAR A VIDA

Não tenhas medo de amar a vida
De lhe entregares
Toda a força dos teus sonhos,
Dos anseios escondidos
No sacrário dos teus pensamentos.

Ama-me
Como se hoje fosse o último dia
E nunca mais nos encontrássemos.

Somos os dois fogo, terra e mar
E incapazes de nos saciar
Viveremos na eternidade
Ligados um ao outro.
CONTIGO É SEMPRE
UMA NOVA EXPERIÊNCIA

Contigo é sempre uma nova experiência
Um novo jogo
Onde o amor se confunde com o prazer
E corpo e espírito tomam forma.

Nessa dança onírica de fogo
Toda a vida se renova.

As estações do ano não contam;
É sempre primavera
Quando estou à tua espera
E tudo se passa tumultuosamente
Nesse fascinante encontro.
NUNCA SENTI TANTO
UMA MULHER

Nunca senti
Tanto uma mulher
Como quando te agarro
Como quem agarra um sonho
Tornado realidade.

E nessa orgia farta
De delírios
Unimos corpos
Esquecemos o mundo
E vivemos o prazer
Até à saciedade.

Até à exaustão.
TU ÉS O FRUTO EXUBERANTE

Tu és o fruto exuberante
A beleza, a sedução,
Onde o sexo
E o céu se confundem.

Tu és
A alegria espiritual,
O prémio
Daqueles que sabem
Que este mundo é o paraíso.

E tu, a sua mais bela e fugaz aparição.
SOMOS UM SÓ

O teu olhar assustado
O teu coração pulsando
As tuas faces afogueadas
Onde os meus beijos como brasas
Encontram os teus beijos,
Saboreiam o teu corpo,
São a recordação,
O sonho mais perfeito
Da vida que vivemos.

Esquecemos o mundo
Aquilo que fazemos,
Somos um só.
TENHO NO MEU CORAÇÃO
A TUA ALMA

Tenho no meu coração
A tua alma
E nos teus beijos
O meu pensamento.
Sinto no meu corpo
O teu corpo
E o pulsar ardente e sequioso
De um prazer nunca saciado.
O TEU OLHAR

O teu olhar
Suplicante.

Insatisfeito.

Completa-se no meu olhar,
Nos desejos e ambições,
Na tensa atmosfera da vida.

O teu olhar
Quer
Intensamente a felicidade.

Aqui tens.

Sou o zéfiro que procuras.

QUANDO TE SINTO INQUIETA

Quando te sinto inquieta
Insegura e triste
Procuro nos teus olhos
O brilho da adolescência,
Essa chama misteriosa
A que não resisto
Por te saber infeliz.

E mais te amo, mais te quero
Numa angústia desesperada
De transformar essa dor
Na maior prova de amor
E ser eu a sofrer
O desencanto do mundo.
OS TEUS OLHOS

Os teus olhos
Como eles riem
Quando fazes amor.

E no êxtase
Em que mergulhas
Nesse ritual indescritível
De prazer e sofreguidão,
Os teus olhos
Suspiram.

Gemem prazeres.

Nunca vi assim outros iguais
Que pedindo sempre mais e mais
Perturbam-se, enlouquecem.

Nesse mesmo instante,
O teu peito ofegante
Cai desamparado nos meus braços.
A TUA VOZ

A tua voz
É o sino doirado
Que toca a meu lado
E me faz perder.

Ouvir-te é ouvir os anjos
Num coro divino, celestial
A que eu não posso resistir.

A tua voz, minha querida,
Torna a minha alma perdida
Por te querer, por te querer.
SOU VIRGEM NO AMOR

Não tenhas ciúmes
Do passado
Que passou.

Dos sonhos que tive
E esqueci.

Tem-me.

Sou virgem no amor
Que sinto.

Na paixão que me arrebata.

Não tenhas ciúmes.

Tu sentes
Quando unimos corpos
Que o prazer de te possuir
É a delícia infinita
De quem só conheceu um amor.
OS TEUS CABELOS

Os teus cabelos.

Gosto deles doirados
Como o fogo.

Iguais a ti.

De imprevisíveis labaredas
Devorando paixões
Calculada e serenamente.

Mas em ti, tudo é natural
Elegante, perfeito, meticuloso
E os teus cabelos são os mais belos
Quando os aperto nos meus dedos
E tu finges que eu sou o todo poderoso.

SINTO NA ALMA
O FRIO DA NOITE

Sinto na alma
O frio da noite
Quando os teus olhos
E a tua boca
Não sorriem.

Sinto na alma
O frio da noite
Quando não saboreio
O calor dos teus lábios.

O estranho bailar
Desta estranha paixão.
OS TEUS DESEJOS

É o equilíbrio do teu corpo
A beleza da tua suavidade
Os teus desejos,
A inocência da tua maldade
Que me despertam.

Tu és o símbolo do efémero
Que eu desejo guardar.

Tu és o mármore esculpido
Que mesmo depois de possuído
Continua fresco e deslizante.

Tu és a mulher peregrina
Que estando escrita na minha sina
És primavera, outono e amante.
O TEU SILÊNCIO

O teu silêncio
Os espaços vazios
Sem a tua presença
Provocam em mim
A insegurança.

Pressinto a mistificação,
O engano
A duplicidade
De uma vida oblíqua
Onde eu não quero entrar.
AO PENSAR EM TI NÃO
SEI SE VIVO

Ao pensar em ti
Não sei se vivo
Se um sonho perverso
Me prende a esta vida
E tudo pode acabar.

Nesses momentos de angústia
Invade-me a insegurança
Que me dilacera.

E fico eternamente à tua espera
Como se tu fosses Deus
E eu, o teu mais fiel amante.
NÃO TE DEVO AMAR

Não te devo amar
Meu amor.

Pelas convenções sociais
Não és minha.

E eu, monstro
De lascívia e prazer
Transformei-te noutro ser
Só para minha satisfação.

Não posso, não devo
Continuar o feitiço
Que te lancei.

Tu e eu somos casos especiais
Que procuramos Deus
Nos braços um do outro.
TU FAZES-ME SOFRER TANTO

Tu fazes-me sofrer tanto
Que eu próprio me espanto
Da capacidade de amar.

É o ciúme que me fere
É a mente que me dói.

Dói-me a alma, o corpo, o pensamento
Mas amo-te tanto neste sofrimento
Que me desconheço.
LÁGRIMAS NÃO

As tuas lágrimas
Despedaçam a alma
Queimam a carne
São a dor mais funda
A morte mais lenta
O sofrimento insuportável
Que me destroem.

Lágrimas não
Minha querida.

As tuas lágrimas
São gritos lancinantes
Que vejo sair do teu peito
Que eu beijo
Como se beija um sacrário.

As tuas lágrimas
São o sudário
Que eu não mereço.
Fazem-me sentir
Indigno de ti
Que me dás tanto amor.

Lágrimas não.
Elas desfazem-me.
E eu quero viver
Para te amar eternamente.
NESTAS DUNAS BATIDAS
PELO VENTO

Aqui
Onde escorre a água, o sal e o sol
E a gaivota dança ao sabor do tempo
Nestas dunas batidas pelo vento
Te possuí mil vezes.

Aqui
Te imaginei barco e espuma navegando
A fúria deste mar que todo sou eu.

Aqui
Também tu foste mar, corpo e céu
Confluência de luxuria e prazer.

Aqui
Te largo e abandono desesperado
Cortando as amarras que nos uniram.

Vai.
Foge para longe do pensamento
Não quero mais viver este momento
Em que te sei navegando em outros mares.

Vai.
Não pares.

Não pares nunca.

Aqui
Te deixo o amor e a recordação
De um sonho vivido intensamente.

Vai.
Mulher sublime e generosa.

Acolhe-te a outro campo, a outra árvore
Que aceite a partilha e a angústia.

Eu não sou capaz de viver
Em posse dividida e desespero.

O MEU CORPO NÃO CONSEGUE

Por mais que te deseje
E te queira amar
O meu corpo não consegue
Porque não deixa de pensar
Onde mergulhas os sonhos.

Vivo atormentado por fantasmas.

Não sei se te amo, se só te desejo
Neste impulso carnal-infernal
Nesta vertigem onde as nossas bocas
Se confundem com outras bocas.

NUNCA MAIS PODEREI ESQUECER

Por mais que queira
Transformar o amor num acto trivial
Contigo não consigo.

Foram demasiados belos os momentos,
Surpresas raras, sonhos impossíveis
Que tu me ofereceste.

E tudo isso que me deste
Nunca mais poderei esquecer.